sexta-feira, setembro 02, 2005

URGENTE! Multinacional Precisa De Explicadora.

É.... dessas que crianças do ensino fundamental tanto utilizam, depois que acabam o turno da escola. Será que alguám se habilita? Confira no post abaixo.


Ecologistas versus Coca Cola
Por Blanca Abarca*

A engarrafadora é acusada de apoderar-se de recursos hídricos em uma zona de El Salvador onde a água é escassa. Mas a empresa de refrigerantes assegura que cumpre as normas ambientais internacionais.

SAN SALVADOR.- A filiada da engarrafadora Coca Cola em El Salvador se defende de acusações de ter se apoderado dos escassos recursos hídricos de uma região desse país, onde os rios que não secaram ou desapareceram devido à mancha urbana estão contaminados. A Engarrafadora Salvadorenha (Embosalva), pertencente ao consórcio Agrisal, destinou quase três anos e US$ 23 milhões para construir Nixtapa, sua segunda fábrica, no município de Nejapa, um importante cinturão de jazidas aqüíferas. Entretanto, a companhia, com 120 empregados que engarrafam dez mil caixas diárias de Coca Cola e outras bebidas gasosas, mudou-se para esse local depois de ter esgotado os mananciais de Soyapango, onde sua primeira unidade começou a funcionar em 1979, denunciou o diretor do Centro de Estudos de Tecnologia Apropriada, Ricardo Navarro.

Nos municípios de Soyapango, Ilopango e San Marcos, o serviço de água potável funciona apenas oito horas por dia e a qualidade da água não garante saúde aos moradores, o que faz crescer o mercado de água em garrafas, revela o Relatório de Desenvolvimento Humano 2001 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Cerca de 350 mil moradores de Soyapango são abastecidos com água procedente das reservas subterrâneas de Nejapa, pois os rios próximos estão poluídos, secaram ou desapareceram devido à intensa urbanização. Navarro lamenta que as autoridades não tenham recursos para medir a quantidade de água que a empresa extrai. “Primeiro deve-se garantir que as pessoas tenham água. A Coca Cola, como bebida, não é mais importante”, disse o ecologista. As leis salvadorenhas não obrigam a pagar direitos de exploração, usufruto ou compensação pelo uso de fontes hídricas. Grupos ambientalistas afirmam que as multinacionais de refrigerante contribuem para a crise global da água. Em mais duas ou três décadas não haverá água suficiente no planeta para atender as necessidades humanas e contribuem com essa catástrofe pelo menos dez companhias multinacionais, incluída a Coca Cola, afirmam os canadenses Maude Barlow e Tony Clarke em seu livro “Blue Gold”.

A empresa Embosalva garante que em 2002 obteve o certificado ISO 14001, que atesta a adesão de uma empresa às normas ambientais internacionais em vigor. Em 18 meses foi construída uma unidade para tratamento de líquidos residuais, ao custo de US$ 1,5 milhões. “Nos preocupamos em preservar os recursos naturais. Somos a primeira empresa salvadorenha e a primeira engarrafadora da Coca Cola da divisão Norte, que inclui do México à Colômbia e Caribe, a cumprir a norma ISO 14001”, afirmou José Carlos Bonilla, presidente da Embosalva. A companhia conta com programas de reflorestamento, dispõe de um viveiro que fornece árvores durante as campanhas “Missão Planeta” e patrocina jornadas de coleta de lixo plástico. Dessa forma, destaca Bonilla, a empresa aplica uma política de responsabilidade com o meio ambiente.

* A autora é jornalista e colaboradora do Terramérica.
Terramérica: Água
Terramérica: Mesoamérica