sexta-feira, julho 22, 2005

22 de julho:Mobilização mundial contra a Cocacola

Colômbia

Edgar Páez *

Adital - Muitas organizações sociais, defensoras dos direitos humanos, coletivos de base e milhares de homens e mulheres conscientes da difícil situação que atravessam os trabalhadores desta multinacional na Colômbia, se somam a esta torrente de dignidade que exige da corporação estadunidense verdade, justiça e reparação integral pelos crimes cometidos em seu benefício, que respeite os direitos humanos e que não contamine mais o planeta com os dejetos de suas plantas de produção e com seus lemas e seus fundos enganosos de democracia e liberdade.
O 22 de julho foi declarado pelo Fórum Social Mundial realizado em Porto Alegre, Brasil, no começo de 2003, como o dia mundial contra a política da Coca-Cola.

Milhares de atos públicos, mobilizações, concentrações, fóruns e conferências realizadas em muitos rincões do planeta, têm desvelado ante a comunidade internacional os horrores cometidos por e em benefício da Coca-Cola, não só contra seus trabalhadores, mas contra as comunidades na Colômbia e em outros países igualmente subjugados e empobrecidos pela multinacional. Da mesma maneira, evidenciamos a impunidade em que o estado mantém os crimes que diariamente denunciamos.

Com a campanha mundial temos fortalecido as lutas de resistência do povo colombiano contra a violência e o saque das multinacionais, dos monopólios nacionais e do estado fiel aos interesses dos poderosos.

Conseguimos manter viva a organização sindical e avançamos na exigência do respeito a nossos direitos e à vida; mas não obtivemos que a Coca-Cola mitigue a dor das vítimas e entregue os responsáveis dos crimes para que sejam julgados e condenados.

Têm sido muito importante para este processo de resistência nos encontrarmos com as comunidades da Índia, de Chiapas no México, do Peru, da República Bolivariana da Venezuela e de outros povos do mundo, que igualmente lutam contra a violência da multinacional. Assim temos avançado na globalização das lutas, dos sonhos e das esperanças.

Alcançar a verdade, a justiça e a reparação integral das vítimas é um dos objetivos mais relevantes da Campanha. Não abdicamos a este legítimo direito, tampouco abandonamos nossos anseios de dignidade e bem-estar.

Cada um de vocês tem andado de mãos conosco estes dois anos exigindo justiça, seu entranhável apoio e acompanhamento permanente nos permitem dizer-lhes que seguimos de pé cada vez mais convencidos de que o futuro é nosso e que construir o outro mundo possível é real e que temos começado já, fortalecendo nossos laços de luta, irmandade e solidariedade.

A Coca-Cola vem respondendo à campanha com novos atentados, com ofensivas de desprestígio internacional, com fundos econômicos enganosos e com mensagens imorais. A multinacional quer destruir nossos anseios de justiça e continuar com seu passo arrasador de vidas e culturas.

É urgente redobrar as ações contra esta multinacional, por isso os convidamos para que no próximo 22 de julho em todos os rincões do mundo façamos deste dia uma jornada de luta pela vida, pela salvação e bem-estar da humanidade.

Em cada mobilização e concentração nossos gritos de rebeldia e de exigência da verdade devem retumbar e conseguir que haja justiça e liberdade.

Companheiros e companheiras os convidamos no 22 de julho próximo a realizar ações que fortaleçam as lutas de resistência contra a política da Coca-Cola no mundo.

Globalizando a luta e a unidade... globalizamos a esperança e a dignidade.
Colômbia: Nunca mais impunidade. Verdade, justiça e reparação, já!!!


* Sindicalista, Direção Nacional do SINALTRAINAL