sábado, julho 30, 2005

COCA-COLA controla a água!

Adital - Organizações não governamentais que participam do fórum mexicano Em Defesa da Água denunciam que a COCA-COLA, uma das maiores engafarradoras do mundo, está tentando controlar as fontes de água em Chiapas, a principal zona de reserva de água de México. O pretexto utilizado pela transnacional para expandir sua presença na região seria a construção de escolas nas comunidades, onde adquirem prédios com fontes de água. a empresa também estaria considerando a instalação de uma e engarrafadora San Cristóbal de las Casas, onde existem córregos do serrote Huitepec e em Huixtán, zonas com grandes reservas hídricas.
Juntamente com a Nestlé e Pepsi, a COCA-COLA é uma das principais engarrafadoras de água no país. Segundo a imprensa mexicana, se estima que as vendas de água engarrafada, por ano, no México, são de quase 12 bilhões de pesos, enquanto que a Comissão Nacional dá Água (Conagua) capta pelo serviço de água potável cerca de 16 bilhões de pesos.

Para as organizações de defesa da água, a comercialização do líquido em garrafas de plástico é outra das formas de privatização do recurso, processo que tem se expandido no mundo durante os anos recentes, e as empresas que controlam esse mercado procuram se assentar nas regiões onde a água está garantida. Somado ao controle dos serviços de água potável que três empresas exercem em todo o mundo - Suez, Vivendi e RWE-Thames - estão estas companhias engarrafadoras, que também monopolizam a atividade. De acordo com informação da Conagua, na zona, se encontram 50% da água de todo o país.

Segundo o Centro de Investigações Econômicas e Políticas de Ação Comunitária, a Fundação Coca- Cola Chiapas informa que, em quatro anos, já construíu escolas nos municípios de Pantelhó, Huixtán, Comitán e, recentemente, em Pantepec, além de ter reabilitado dois albergues escolares indígenas nos municípios de Tila e El Porvenir, com o apoio do governamental Comitê de Construção de Escola do Estado (Cocoes). Estas obras têm beneficiado "mais de 850 crianças tzeltales, tzotziles e zoques, e centenas de comunidades de onde provêm".

Por outro lado, a COCA-COLA, depois da vitória do presidente Vicente Fox, que foi representante da transnacional no México, incrementou suas instalações em Chiapas, no uso do solo para extração, processamento e engarrafamento de água no aqüífero mais rico de San Cristóbal de las Casas, nas encostas do serrote Huitepec, uma reserva ecológica administrada pela ONG conservadora Pronatura e assinalada como uma organização ambientalista que recebe fundos da COCA-COLA México.

Consumo consciente em fotonovela...

Consumir — qualquer que seja o produto — não é um ato inofensivo. Este é um dos principais alertas da fotonovela "Consuma que eu te devoro" (20 pág.), produzida pelo Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS) e lançada em novembro de 2004 no Rio de Janeiro. Em formato A4, a iniciativa pretende fazer com que o consumidor reflita sobre o consumo diário e a atuação das empresas estrangeiras no nosso dia-a-dia. "Para que empresa você está dando o seu dinheiro? O que está sendo destruído da cultura e dos hábitos alimentares dos povos pelo feitiço e poder da propaganda do consumismo? Será que não existe uma forma alternativa de consumir?" Para responder estas perguntas, a fotonovela reproduz uma situação cotidiana em que dois vizinhos — Zeca e Joana — se esbarram e passam a se conhecer melhor. As marcas transnacionais Coca-Cola, Nestlé, Unilever (dona das marcas Omo, Lux, Knorr, entre outras), Pfizer e Monsanto são questionadas, dando espaço assim ao 'consumo consciente'. No decorrer da estória e no final da publicação são oferecidas alternativas ao leitor e indicações para a continuidade do questionamento. Para conhecer melhor o PACS, entre em contato pelo telefone (21) 2210-2124 ou no www.pacs.org.br

fonte: http://www.piratininga.org.br/artigos/2005/68/boletim68.html

sexta-feira, julho 22, 2005

22 de julho:Mobilização mundial contra a Cocacola

Colômbia

Edgar Páez *

Adital - Muitas organizações sociais, defensoras dos direitos humanos, coletivos de base e milhares de homens e mulheres conscientes da difícil situação que atravessam os trabalhadores desta multinacional na Colômbia, se somam a esta torrente de dignidade que exige da corporação estadunidense verdade, justiça e reparação integral pelos crimes cometidos em seu benefício, que respeite os direitos humanos e que não contamine mais o planeta com os dejetos de suas plantas de produção e com seus lemas e seus fundos enganosos de democracia e liberdade.
O 22 de julho foi declarado pelo Fórum Social Mundial realizado em Porto Alegre, Brasil, no começo de 2003, como o dia mundial contra a política da Coca-Cola.

Milhares de atos públicos, mobilizações, concentrações, fóruns e conferências realizadas em muitos rincões do planeta, têm desvelado ante a comunidade internacional os horrores cometidos por e em benefício da Coca-Cola, não só contra seus trabalhadores, mas contra as comunidades na Colômbia e em outros países igualmente subjugados e empobrecidos pela multinacional. Da mesma maneira, evidenciamos a impunidade em que o estado mantém os crimes que diariamente denunciamos.

Com a campanha mundial temos fortalecido as lutas de resistência do povo colombiano contra a violência e o saque das multinacionais, dos monopólios nacionais e do estado fiel aos interesses dos poderosos.

Conseguimos manter viva a organização sindical e avançamos na exigência do respeito a nossos direitos e à vida; mas não obtivemos que a Coca-Cola mitigue a dor das vítimas e entregue os responsáveis dos crimes para que sejam julgados e condenados.

Têm sido muito importante para este processo de resistência nos encontrarmos com as comunidades da Índia, de Chiapas no México, do Peru, da República Bolivariana da Venezuela e de outros povos do mundo, que igualmente lutam contra a violência da multinacional. Assim temos avançado na globalização das lutas, dos sonhos e das esperanças.

Alcançar a verdade, a justiça e a reparação integral das vítimas é um dos objetivos mais relevantes da Campanha. Não abdicamos a este legítimo direito, tampouco abandonamos nossos anseios de dignidade e bem-estar.

Cada um de vocês tem andado de mãos conosco estes dois anos exigindo justiça, seu entranhável apoio e acompanhamento permanente nos permitem dizer-lhes que seguimos de pé cada vez mais convencidos de que o futuro é nosso e que construir o outro mundo possível é real e que temos começado já, fortalecendo nossos laços de luta, irmandade e solidariedade.

A Coca-Cola vem respondendo à campanha com novos atentados, com ofensivas de desprestígio internacional, com fundos econômicos enganosos e com mensagens imorais. A multinacional quer destruir nossos anseios de justiça e continuar com seu passo arrasador de vidas e culturas.

É urgente redobrar as ações contra esta multinacional, por isso os convidamos para que no próximo 22 de julho em todos os rincões do mundo façamos deste dia uma jornada de luta pela vida, pela salvação e bem-estar da humanidade.

Em cada mobilização e concentração nossos gritos de rebeldia e de exigência da verdade devem retumbar e conseguir que haja justiça e liberdade.

Companheiros e companheiras os convidamos no 22 de julho próximo a realizar ações que fortaleçam as lutas de resistência contra a política da Coca-Cola no mundo.

Globalizando a luta e a unidade... globalizamos a esperança e a dignidade.
Colômbia: Nunca mais impunidade. Verdade, justiça e reparação, já!!!


* Sindicalista, Direção Nacional do SINALTRAINAL

terça-feira, julho 19, 2005

Pequenas batalhas...

Justiça
Coca-Cola indenizará por refrigerante mofado
Segunda, 18 de Julho de 2005, 19h20
Fonte: JB Online

A Coca-Cola foi condenada a pagar indenização de R$ 5.200 ao advogado Alexandre da Silva Gomes, de 27 anos, que comprou uma garrafa de refrigerante e, momentos antes de consumir o produto, encontrou mofo e bolor que tornavam o líquido totalmente impróprio para o consumo.
Inicialmente, a multinacional havia sido punida em apenas R$ 450 pelo juiz sentenciante. Porém, o recurso do autor, no sentido de majorar o valor do dano moral para 40 salários-mínimos, obteve provimento parcial da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio, que se baseou nos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade para estipular a quantia definitiva da condenação.
Na inicial do processo, Alexandre alega que tem dois filhos menores e questiona que eles poderiam ter ingerido o refrigerante por conta própria. Em contrapartida, a Coca-Cola tentou desfazer a idéia de situação danosa, se prendendo ao fato de que a bebida não chegou a ser consumida.
Além disso, a empresa ainda tentou repassar a culpa para a mercearia responsável pela venda - mas, segundo o juiz, "cabe rejeitar a preliminar de ilegitimidade passiva, já que a ré (Coca-Cola) é responsável pela fabricação e venda dos xaropes usados para produção dos refrigerantes; sendo, portanto, parte legítima para responder à essa ação", sentenciou o juiz Luiz Eduardo de Castro Neves, do 4º Juizado Especial Cível.
Alexandre, antes de ajuizar o caso, procurou a central de atendimento da empresa e, depois de permanecer mais de uma hora esperando na linha telefônica - segundo ele -, foi orientado pelo setor de comunicação da Coca-Cola de que deveria aguardar contato, o que não teria acontecido.
Ele se dirigiu, então, a uma Delegacia do Consumidor, onde protocolou uma denúncia e, na mesma época, encaminhou o líquido contaminado ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli, ocasião em que ficou constatada, pelo laudo 1478274, a contaminação.
A Coca-Cola ainda tentou impugnar o dano moral, alegando que o consumidor não provou que a garrafa permaneceu intacta e que os elementos estranhos provinham de fábrica. Entretanto, esse argumento não surtiu efeito e foi rejeitado pelo juiz Luiz Eduardo.

Relembrando...Etimologia de um nome...


COCA: “Arbusto cujas folhas encerram vários alcalóides, entre eles a cocaína”.

COLA: “Árvore cujos frutos contêm grandes sementes com alto teor de cafeína e outros alcalóides”. No Brasil, algumas espécies de Cola levam o nome de orobó, ervilha-de-pombo, obi, etc.

A HISTÓRIA - Em 1886, em Atlanta (USA), o farmacêutico John Styth Pemberton inventou um tônico à base de folhas de coca, caroços de cola e caramelo, bastante eficaz contra a ânsia de vômito, dor de cabeça, ressaca e cansaço.No dia 08 de maio de 1886, o xarope começou a ser vendido em sua farmácia, a Jacob´s Pharmacy, por cinco centavos o copo. “A Coca-Cola surgiu quando, acidentalmente, John Pemberton misturou água gasosa ao seu xarope”. Foi com base nos componentes da fórmula que o contabilista da casa, Frank Robinson, batizou a bebida com o nome Coca-Cola.Um ano antes de falecer, Pemberton vendeu sua fórmula para outro farmacêutico, chamado Asa Griggs Candier, por 2.300 dólares. Assim, em 1887, nascia a Coca-Cola Company. Em 1919 Asa Candier foi eleito Prefeito de Atlanta e vendeu a Coca-Cola por 25 milhões de dólares para Ernest Woodruff e um grupo de investidores. Se naquela época a empresa já havia chegado ao Canadá, Havaí e México, hoje ela se encontra em 200 países do mundo e registra um superávit anual na casa dos Cinco Bilhões de dólares.
Na Audiência Pública da Câmara Federal, realizada em 17 de junho de 2004, o Deputado André Luiz, citando o livro “Isso sim, É Real”, de César Azambuja, afirma que “Uma das substâncias usadas na fabricação do xarope da Coca-Cola é extraída da folha de coca e que a importação dessa substância é feita à margem das leis brasileiras”. “A pasta é feita à base de folhas de coca e é importada da Bolívia e Peru pela Stepan Chemical Company, única empresa americana autorizada a importar o produto para uso medicinal, além de servir como aromatizante para a Coca-Cola – confirma John O´Brien, gerente da Stepan Company”. Como os dirigentes brasileiros da multinacional se recusam a falar da Mercadoria Número 5, só mesmo o Ministério da Saúde e a Polícia Federal para explicarem o quê, de fato, a Coca-Cola está nos vendendo e como chegou à liderança do mercado nacional. (I K F)

sexta-feira, julho 15, 2005

Coca-Cola Ameaça Fotógrafo Renomado


O vencedor do Leão de Prata 2005 em Cannes, o fotógrafo Sharad Haksar, está sendo ameaçado com um processo pela subsidiária da Coca-Cola na Índia, por espalhar pelas maiores cidades do país o outdoor acima postado.

Coca-Cola Processada

Funcionários da Coca-Cola nos Estados Unidos abrem processo contra a companhia alegando que seus fundos de pensão estão sendo mal-gerenciados por conta do desvio do dinheiro para investimento nas ações da empresa.

segunda-feira, julho 11, 2005

Comissão De Ética Examina Contratos Da Coca-Cola Com Times Esportivos Nos EU

A Coca-Cola está supostamente liberando verbas acima do estabelecido por contratos a treinadores e times esportivos. Baseada nos gastos dos times, uma Comissão de Ética ficou de investigar o caso.

sábado, julho 09, 2005

Grande Mídia Só Noticia O Que Patrocinador Permite

No mundo inteiro é assim. Há de se desconfiar de qualquer evento com finalidades filantrópicas patrocinado por instituições poderosas ou mesmo de noticiários advindos de redes de comunicação que dependem de anunciantes fortes. Nos Estados Unidos, universidades fazem questão de pesquisar o fato para depois divulgar à nação de onde e como esperar o quê. A rede NBC e o Washington Post, por exemplo, estão visceralmente comprometidos com a Coca-Cola.

sexta-feira, julho 08, 2005

Coca-Cola De Volta Ao Iraque

Depois de 37 anos de exílio, a Coca-Cola volta ao Iraque para competir com a Pepsi. A expectativa é de um mercado dos mais lucrativos, já que os consumidores lutam contra a escassez de água e qualidade questionável de produtos alimentícios, com a guerra desenhando o cenário de hostilidade.
Banida do país em 1968 por supostas ligações com Israel, o Oriente Médio fez a opção pela Pepsi, e mesmo depois do fim do boicote em 1991, guerras e sansões impediram a volta da Coca á região. Este retorno tem como alvo 26 milhões de consumidores.

quarta-feira, julho 06, 2005

Coalisão De ONGs Exige Que Fundos De Pensão Parem De Investir Na Coca-Cola

Instituições de direitos humanos e meio ambiente - entre elas a Killer Coke, intimaram o maior fundo de pensão dos Estados Unidos - a TIAA-CREF, que serve a maioria dos educadores do país, a se desligar da Coca-Cola e da Wal-Mart, que também são seus beneficiários. Os líderes ativistas alegam que ambas as companhias não são socialmente responsáveis e não cumprem os códigos legais dos diversos países onde operam, além de contribuírem para o prejuízo da saúde de seus consumidores e funcionários.

terça-feira, julho 05, 2005

Em Breve Google's Vai Ultrapassar Coca-Cola

Segundo avaliação da Forbes para as 20 marcas que mais rapidamente se valorizam no mercado, o valor da Coca-Cola está em queda livre durante os últimos 4 anos. Atualmente cotada em US$ 55 bi, a Coca vem sendo desvalorizada 4% a/a, enquanto que a Google's sofre valorização de 36% a/a e está atualmente cotada em US$ 50 bi. A #1 do ranking é a Apple, com valorização de 38% a/a.

segunda-feira, julho 04, 2005

Exigências De Várias Instituições Para Investigações Em Suas Fábricas E Condenações Da Corte Derrubam Board Da Coca Na Índia

Imprensada por denúncias e provas de depredação de longas faixas de terra e contaminação de seus produtos por pesticidas, Coca-Cola reestrura sua subsidiária na Índia.

domingo, julho 03, 2005

CEO Da Coca Insiste Em Limitar Seu Trabalho À Melhoria Da Imagem Da Companhia

Por onde quer que se apresente, Neville Isdell - CEO da Coca é questionado sobre procedimentos da Coca-Cola nos 5 continentes. Ele, talvez por "desinformação", garante que a The Coca-Cola Company já se acertou com TODAS as autoridades dos diversos países, onde quer que problemas houvessem. Ele insiste em dizer que "o único problema atual é a imagem da companhia, que ficou afetada depois de tanta alegação infundada". Analistas sugerem que Isdell tente pelo menos mudar seu discurso. Afinal, as evidências não permitem mais que se perca tempo subestimando a inteligência do consumidor. Quando se lida com alimentação, esse tipo de atitude chama-se auto-envenenamento.

Coca-Cola É O Símbolo Do Mal No G8

Este fim de semana não foi nada bom para a Coca-Cola em Edimburgo, na Escócia. Com a venda de seus produtos banida do movimento que reuniu mais de 200.000 pessoas no centro da cidade, a Coca-Cola foi a aclamada como a empresa que melhor representa a origem da pobreza, da violência e da injustiça no mundo. Estavam lá representantes do Sinaltrainal e da Indiaresourse que lutam incessantemente contra a conduta criminosa da Coca-Cola no mundo. Muitas manifestações contra a empresa estão agendadas até quarta-feira, dia 6, quando se inicia a Cúpula do G8. Durante o G8, representantes de ONGs também prometem protestos contra a companhia.

sábado, julho 02, 2005

Universidade Nos EU Força Auditoria Na Coca-Cola

Universidade de Michigan ameaça cancelar os 12 contratos que mantém com a Coca-Cola se a empresa não auditar suas sedes na Colômbia e na Índia. O board da universidade, em um relatório de 911 páginas, recomenda que todos os contratos com a Coca-Cola devem ser feitos por tempo limitado e que haja um acompanhamento do corpo docente e discente ao desenrolar das ações contra os crimes da Coca-Cola pelo mundo.
Sendo grande parte dos problemas da Coca com os direitos humanos, ex-funcionários da Divisão Brasil que foram prejudicados pela cia. comentam a idéia de enviarem ao board da Universidade de Michigan relatório das pendências de ordem trabalhista, assim como as de ordem financeira e as com o meio ambiente, que reinam impunes por aqui.