terça-feira, fevereiro 01, 2005

Tempo E Ética

Abaixo, estou postando excepcionalmente um e-mail que enviei ao Sr. Wagner Fernandes, onde procuro esclarecer alguns pontos de dúvida, que parecem ser comuns aos que contribuem com seus comentários nas janelas de comments, nos posts mais recentes deste blog. É uma oportunidade para estes, assim como para todos os que "pegaram o blog andando", melhor compreenderem o foco da questão e a seqüencia dos fatos de uma causa que já pertence a um número pessoas que não para de crescer.

Olá Wagner,

Não sei o nível de informação que você possui sobre essa cruzada. Mas vou procurar resumir alguma coisa em respeito a sua autenticidade de enviar seu endereço de e-mail.
Fui funcionário da Coca-Cola por dezoito anos, até 1987. Tenho uma ação judicial contra essa empresa, já fazem quase sete anos. Na ação já constavam a maioria das denúncias, que somente do ano passado para cá tiveram maior divulgação.
No decorrer deste caminho, que se iniciou como uma questão pessoal, tive oportunidade de denunciar os fatos em alguns foruns. Como no CADE por exemplo, já no ano de 2000. Alguns veículos de imprensa também se interessaram em algum momento, abandonando o caso na medida em que as verbas publicitárias eram liberadas para seus cofres. Existem provas documentais disso em pelo menos um caso. O do Correio Brasiliense, relatado em meu livro.
O que difere a situação agora, é o fato de que, insatisfeito com a condução da nossa justiça, resolvi escrever um livro relatando minha experiência com a Coca-Cola. Sem esconder nada e citando as pessoas nominalmente e a maneira de atuar da empresa. Isso obviamente incomodou muita gente, como você pode perfeitamante perceber em alguns comentários. Se qualquer dos fatos relatados fosse inverídico, voce não acha que eu estaria preso? processado? ou o livro recolhido?.
Não, eles calaram e se omitem de discutir a questão porque não tem contra argumentos. Mas essa é uma outra questão.
Durante essa caminhada, novos fatos, pessoas e entidades também prejudicados por eles, foram se agregando. O Blog surgiu daí, como consequência e não como causa ou objetivo inicial. O livro, o Blog, a mídia, despertaram, mais que obviamente a tropa de choque que conheço bem e sei como atua. Apagam incêndio, mas não salvam a casa.
E pode anotar, ela vai cair...
Entendo e aceito perfeitamente opiniões contrárias, críticas, oposição e até ataques gratuitos de predadores que se preocupam mais com a forma de que com o conteúdo.
Mas agressões pessoais, covardes e anônimas eu rejeito e desprezo.
Não pretendo ser dono da verdade, não renego meu passado e não me sinto santo.
Mas tenho e vou exercer o direito de me manifestar sobre aquilo que acredito e que apreendi enquanto achar necessário e útil. Contra qualquer anônimo covarde, qualquer predador teleguiado ou inocente útil. Mas principalmente a favor da maioria esmagadora das pessoas, refletida na correspondência que recebo.
Não vejo a questão ética como receita de bolo. Eu tenho a minha e estou conscientemente satisfeito com ela. Respeito a dos outros, inclusive a sua.
grato,

Cesar Azambuja