segunda-feira, janeiro 31, 2005

O exame do EXTRATO VEGETAL....contagem regressiva.

No programa 100% Brasil deste domingo, o Deputado Renato Cozzollino esclareceu em detalhes o andamento da questão do exame do extrato vegetal, junto aos orgãos do governo.
Os Ministérios envolvidos, Justiça, Agricultura e Saúde tem requerimentos da Camara Federal
questionando alguns fatos e procedimentos em vigor e, solicitando respostas.
No Ministério da Justiça, o Ministro Márcio Thomáz Bastos, em despacho de 8 de dezembro passado, solicitou ao Instituto Nacional de Criminalistica da Policia Federal, a realização do exame. O INC, por sua vez respondeu não estar equipado para a realização de tais exames, devido a sua complexidade, o que poderá ser feito a partir de fevereiro com a chegada de novos equipamentos, já encomendados.
Esta resposta, oficial, derruba por terra a afirmação da cocacola que disse na audiência da Camara dos Deputados que tal exame já teria sido feito em 2000. Na realidade, com essa afirmação a Cocacola quis induzir os Deputados presentes a erro, e conseguiu com alguns, porém temporariamente. O referido exame de 2000, foi na realidade "arranjado", e feito no produto final. Na latinha do produto para ser mais exato. No extrato vegetal, ou mercadoria n.5, tal exame nunca foi feito!
Se existem derivados da folha de coca no extrato vegetal, é ILEGAL NO BRASIL, considerado entorpecente pela lei em vigor, e não pode ser comercializado. Pelo menos até que se mude a Lei.

No Ministério da Agricultura, outras irregularidades do passado em relação ao registro do produto. Irregularidades essas que o Ministério promete apurar em detalhes.
Apesar do Sr. Brian Smith dizer que "o extrato vegetal, é de um vegetal...", e do quimico dizer "que desconhece a composição", o produto cocacola é registrado naquele Ministério como produto "de extratos vegetais aromáticos", e de forma provisória.
A lei aí, também obriga o exame de todas as mercadorias importadas, o que não é feito. Mas o mais interessante e irônico, é o fato da maior empresa de refrigerantes do planeta, não saber o que vende, os orgãos controladores não saberem o que autorizam e, os consumidores não saberem o que bebem. É papel contra papel. Mas agora vai mudar...

No Ministério da Saúde, bem....aí o problema é maior. E fica agravado pelo fato desse Ministério, ter a ANVISA como um de seus orgãos. Eles receberam um questionário com doze perguntas, e responderam apenas a uma, pasmem, que não havia sido feita. Na realidade o envolvimento da Cocacola com esse Ministério é maior do que se imaginava. A pressão por explicações do porque os procedimentos legais não são realizados é cada vez mais intensa. Também aí, a situação irá mudar em breve.

sábado, janeiro 29, 2005

KROLL, um escândalo difícil de abafar...

Ucho Haddad, 27 de janeiro

"O mundo tupinambá dos negócios foi assolado por uma grande mentira, que certamente foi disparada por algum inconsequente que está envolvido em um escândalo de espionagem ilegal. A piada da quarta-feira dava conta que, empresários italianos, ligados a TELECOM Itália, estariam extremamente interessados em levar para a península itálica, uma empresa de refrigerantes de pequeno porte, que nos últimos meses tem tirado o sono da gigante Cocacola. Trata-se de uma manobra ardilosa do inventor da estória, que tenta escapar de ser o mandante da arapongagem que resvalou no Ministro Luiz Gushiken e no ex-presidente do BB, Cássio Casseb. E como a justiça ainda nos proíbe de citar o nome do criativo inventor de fábulas, nos resta afirmar que o senhor oPPortunidade anda enxergando "opportunities" demais, até mesmo onde não existe..."

Ucho Haddad, 28 de janeiro

"...o Darth Wader tupiniquim, tem perdido seu tempo em engendrar uma saída para a espionagem realizada pela Kroll........As ordens para tal são enviadas de Nova York para um de seus advogados aqui no Brasil, que está incumbido de transferir a responsabilidade da arapongagem para a Cocacola e a Dolly, o que não passa de uma desbaratada sandice...."

Parece que tem mais gente querendo "pegar carona" e tirar proveito jogando gasolina...

Lição Recomendada

O mundo corporativo acompanha de perto o caso da Coca-Cola East África, de Nairóbi, que promete se tornar célebre como manual sobre como companhias transnacionais não devem se comportar, onde a soberania cultural local não permite interferência de códigos externos, nem mesmo daqueles que compõem a conduta universal.

É raro, mas acontece. Acostumadas a impor condutas, as empresas estão surpresas com a "virada" de uma situação de acompanhamento de auditoria de rotina, para uma ação criminal impetrada por um gerente da companhia que se sentiu ultrajado por ter que ser acompanhado em uma negociação, se queixando por isso à polícia.

Para estabelecer-se bem em um país, não basta ter condicionamento intervencionista, rede política e milhões de dólares. Por vezes, é preciso ter uma certa visão de respeito pela cultura local também. Seja ela qual for.

Leia a matéria : http://allafrica.com/stories/200501241282.html

domingo, janeiro 23, 2005

SACs Serão Avaliados Por Inmetro

Na edição de hoje do jornal O Globo, seção de economia/Defesa Do Consumidor, pg.38, a reportagem de Ana Cecília Campos discorre sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) das empresas, e também sobre o Teste de Avaliação da Qualidade do Inmetro, que vai verificar "desde o tempo que uma empresa leva para atender uma solicitação até o tipo de tratamento que o cliente recebe ao ligar"- Segundo Paulo Coscarelli, gerente de Orientação e Incentivo à Qualidade da Inmetro, que está disponibilizando em sua página o link Indique para o consumidor sugerir produtos para serem testados.

Chegou em boa hora. Que tal sugerir a coca-cola?

sexta-feira, janeiro 21, 2005

Indianos Querem Coca-Cola E Pepsico Fora Da Índia

.
FORA Coca e Pepsi

Manifestação na Índia reúne cerca de 100.000 pessoas e forma correntes humanas para protestar contra as gigantes Coca-Cola e Pepsico.

Representantes da RFSTE – Fundação Para Pesquisas Em Ciência Tecnologia E Ecologia, na Índia, informam que aproximadamente 100.000 pessoas participaram da campanha para expulsar a Coca-Cola e a Pepsico daquele país.

Por causa da destruição dos lençóis freáticos, a Alta Corte de Kerala já ordenou o fechamento de uma fábrica da região. Comunidades inteiras, próximas às fábricas da Coca-Cola e da Pepsico, estão sendo dizimadas pela seca e pela fome.

Fontes: http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/4192569.stm
http://ww.pennnet.com/news/display_news_story.cfm?Section=WIREN&Category=HOME&NewsID=113231
http://www.indiaresource.org/

quinta-feira, janeiro 20, 2005

OS FATOS, E OS ALIS BABALUFS...

1- A Cocacola esta sendo investigada por tres comissões da Camara dos Deputados, Fiscalização e Controle, Defesa do Consumidor e Tributação. Já compareceu a duas audiências públicas e não conseguiu se explicar. Portanto outras audiências serão marcadas brevemente.
2- A Secretaria de Defesa Economica , ligada ao CADE, ligado ao Ministério da Justiça, acatou denuncia de abuso de poder econômico contra a empresa por pressão a fornecedores, investigação em andamento.
3- O sub-procurador da Republica encaminhou denúncias a Polícia Federal para investigação, que estão em andamento, inclusive sobre a utilização de alcalóides derivados da folha de coca na composição do produto.
4-Por solicitação do Ministro da Justiça(datada do último dia 8 de dezembro), o Instituto de criminalistica da Policia Federal respondeu que a instituição NÃO TEM ainda equipamentos com tecnologia para a realização do exame do extrato vegetal, e que só receberá tais equipamentos este mes, podendo então realizar o exame a partir de fevereiro. Esta afirmação, contradiz as declarações mentirosas da Cocacola afirmando que o exame já teria sido realizado.
5-A Cocacola contratou a Kroll, por R$ 250.000,00 reais mensais para espionar a empresa Dolly
através de grampos telefonicos. A documentação e gravações, foram apreendidos na mesma operação da Brasil Telecom, e estão em poder da Polícia Federal para investigação.
6- A Polícia Federal apreendeu na famosa Operação Capela, que levou a prisão o mega contrabandista Chinês Lao, contrato social indicando a sociedade deste com varias empresas, incluindo aí, quatro engarrafadores de Cocacola. O de Bauru, de Marilia, de Campinas e a Spal, antecessora da atual Fensa que engarrafa e distribui a Coca em São Paulo, Campinas e Santos.
Agora a PF deve estar investigando qual o objetivo do contrato social entre essas empresas e um contrabandista deste porte.
7-A utilização de derivados da folha de coca na composição do extrato vegetal, componente do produto cocacola, é fato, de dominio público, conhecimento global e farta documentação.
O fato não é confirmado pela cocacola do Brasil, porém, também não é negado. A empresa utiliza ferramentas políticas e técnicas para fugir de uma resposta objetiva sobre o assunto.
8-Segundo a Lei de entorpecentes em vigor no nosso país, qualquer derivado ou preparações dafolha de coca tem sua utilização proibida. O questionamento se fal mal a saúde, e em que nível é uma discussão posterior. O fato é que sua utilização é PROIBIDA NO BRASIL.
9-Caracterizada a utilização desse componente, seja através do exame ou de outro procedimento, estaria caracterizado um dos maiores escandalos de concorrencia desleal da nossa historia. Consumidores ou usuários?
10- A investigação sobre uma sonegação bilionária, estimada entre 6 e 7 bilhões de reais esta em andamento em São Paulo. Isto equivale a alguns anos do orçamento do fome zero, e é maior que o orçamento da maioria esmagadora dos municipios deste país. O esquema de notas frias, emitidas para envio do produto a outros estados, que na verdade ficavam em São Paulo, esta em fase final de levantamento e muito em breve será divulgado.
11-Vamos nos abster de comentar as irregularidades e informalidades no controle, registro e fiscalização dos Ministérios da Saude e da Agricultura, por se tratarem de assunto tecnico, e compreensão mais complexa. Mas, este item esta disponivel para quem se interessar.

Estes são OS FATOS, ou melhor, alguns dos fatos....o resto é enrolação.

A democracia, o direito, como princípio básico, dá a todo o acusado direito de defesa contra qualquer acusação ou denúncia. Em diversas instâncias e foruns mas, principalmente, perante a opinião pública. A Cocacola deve e tem esse direito. Se não quer exerce-lo, ou se prefere tangenciar as respostas e utilizar outros caminhos menos transparentes para fornecer as respostas, é opção dela. Imaginar que a eterna impunidade, a teoria do "esquecimento" e
o "acabar em pizza" ainda imperam, será um erro fatal. O tempo dirá.

O que é difícil de entender, são aquelas pessoas que negam a existência do sol, ou melhor ainda, que se comportam como os verdadeiros Alis Babalufs, que como o personagem apresentado na TV, quando lhes é apresentado um espelho, simplesmente respondem...."esta não é minha foto"....

quarta-feira, janeiro 19, 2005

Coca-Cola Fora Das Escolas

Na Califórnia também.
O governador Arnold Schwarzanegger quer um acordo com o Legislativo para banir a junk food das escolas da Califórnia.
"Se você quiser se ver livre da junk food, aprove uma lei que a proíba nas escolas.....porque ela está destruindo as nossas crianças". E esta lei deveria determinar às escolas: " Vocês terão que vender legumes, leite fresco e água, nada de coca-cola".
Leia mais aqui.

terça-feira, janeiro 18, 2005

FOLHA DE COCA # NOZ DE COLA

folha de coca
noz de cola
A folha de coca, assim como a noz de cola, estão ambas presentes no xarope da Coca-Cola, segundo fontes já citadas neste blog. Mas, diferentemente do que querem nos convencer os atendendes do SAC da Coca, são vegetais distintos um do outro.
Explico: Quando o consumidor liga para o SAC da Coca-Cola e pergunta se existe folha de coca no xarope do refrigerante, recebe uma explicação aprofundada sobre noz de cola. Ora, essa é uma dissimulação no mínimo infantil....... Qualquer um lê má fé nessa resposta.

Abaixo, pra quem gosta de pesquisar, fontes sobre a folha de coca, a noz de cola e a Coca-Cola:

Sobre a folha de coca

segunda-feira, janeiro 17, 2005

0800 212121

EXISTE DERIVADO DA FOLHA DE COCA NO XAROPE
DA COCA-COLA? - ligue o número acima e faça a pergunta.

Caso a resposta for positiva, é ilegal no Brasil.

AGRADECIMENTO

Prezados amigos,
Acabo de retornar ao Rio de Janeiro e confesso que, apesar de toda a minha vivência, fiquei espantado ao abrir a minha caixa de emails. São dezenas que não param de chegar dos mais distantes recantos do nosso país.
Sei da força da televisão e sua penetração, mas o que mais esta me chamando a atenção, é a diversidade de interesses e de motivação das pessoas que estão escrevendo.
São pessoas movidas por ideologia, ou por identificação com injustiças sofridas, ou simplesmente brasileiros que querem participar. Como diz a publicidade do governo "AQUELES QUE NÃO DESISTEM NUNCA".
Alguns oferecem apoio prático, outros solidariedade. Há ainda aqueles que, acreditem, oferecem simplesmente as suas orações.
Quando iniciamos esta cruzada, motivados apenas por um sentimento de injustiça pessoal, não tinhamos idéia do que iriamos encontrar. Nossas armas eram tão somente a verdade e a obstinação. E ao cruzar esse oceano de tempestades e calmarias (e até pequenas mas perigosas Tsunamis) percebemos como nosso povo tantas vezes injustiçado e deixado a deriva, é maravilhoso. Percebemos também como é forte este sentimento de recuperar a dignidade do país. Porque ao lutar por isso, estamos lutando pela nossa propria dignidade e tentando fazer desta nação um lugar melhor, mais "limpo" e com isso garantindo um futuro melhor para nossos filhos.
Isso tudo é infinitamente maior que a utilização de alcalóides proibidos, maior que qualquer grampo telefonico, maior que toda a sonegação milionária que possa existir, maior que a corrupção, que as agressões ao meio ambiente, que as relações escusas.
Isso tudo, é maior que a Cocacola!!!
As criticas também são bemvindas, elas acrescentam ao processo. Mesmo aquelas, cujo objetivo é apenas destruir, nos ensinam cada vez mais sobre a natureza humana. Nos fazem entender porque determinados personagens existem na vida pública e porque eles fazem tanto mal as pessoas e a sociedade.
Queria dizer ainda, que todos os emails que estão chegando, serão respondidos, um a um.
É um compromisso pessoal que assumo com o maior prazer. Faremos isso ainda esta semana.
Com relação a esse blog, também quero agradecer a todos que o visitam. Os que somente o fazem para ler, e aqueles que manifestam sua opinião. Brevemente teremos um site também.
Ah! e mais uma coisa...tenham certeza que eles não estão rindo...
Um grande abraço a todos voces e muito obrigado mesmo.
cesar azambuja


ONGs E Grupos De Pressão Comemoram Na Índia

Shripad Nadkarni, Vice Presidente de Marketing da Coca-Cola na Índia e Sharda Agarwal, da mesma Divisão, resolvem abandonar seus postos depois de 4 anos de severas restrições.

Enfrentando muitos problemas de orçamento para desenvolvimento de campanhas, forte pressão de grupos não governamentais, perdas políticas em causas de importância e processos jurídicos pessoais, Nadkarni e Sharda Agarwal deixam a Coca para seguirem projetos pessoais. Eram também da responsabilidade deles, todas as campanhas de marketing para a Indonésia, China rual e outros países visinhos.

Organizações Não Governamentais estão festejando na Ásia.

fonte: http://www.indiantelevision.com/mam/headlines/y2k5/jan/janmam44.htm

segunda-feira, janeiro 10, 2005

O Discurso Da Compaixão

Tanto no campo político quanto no campo corporativo, o discurso sobre a compaixão conjuntural, na defasagem da compaixão estrutural, redunda muitas vezes em solidariedade oportunista.

A excepcional intensidade de emoções – decepção, ceticismo, compaixão e preocupação global – demonstrados pela tragédia da tsunami asiática, é um exemplo autêntico de discurso de compaixão e humanitarismo, criado e fomentado pelo clima político e pela mídia.

Comparando a ausência deste mesmo tipo de preocupação global com as crises humanitárias em Darfur, no Iraque, em Ruanda, na Palestina; a compaixão por desastres mais instantâneos e naturais, em oposição a devastações pela guerra, pela militarização e pelo genocídio, traz à tona o grau de indecência e as múltiplas personalidades da consciência colonialista.

Desde o final da Guerra Fria, táticas intervencionistas são utilizadas com retórica democrática e de direitos humanos; e.g. quando os Estados Unidos e a Grã Bretanha bombardearam o Afeganistão, simultaneamente despejaram 35.000 kits de alimentação (Reuters, outubro/2001).

Mas a grande ironia em tempos de catástrofe, é acompanhar a solidariedade oportunista das corporações e dos Estados políticos, em oposição às pequenas organizações de cooperativas e pessoas físicas; e. g. A Starbucks está doando dinheiro arrecadado do lucro das plantações de café na Indonésia, e a Coca-Cola está doando água retirada dos mananciais e engarrafada na Índia; para citar somente duas das multinacionais envolvidas na campanha pelas vítimas da tsunami. Enquanto isso, indivíduos de vários cantos do mundo, e pequenas organizações, sem mencionar seus nomes, se unem incitados pela mídia, para doar o que puderem e enviar para a Ásia.

A compaixão é cada vez mais, moralmente e politicamente 'apropriada', do jeito que deveria ser. Por outro lado, dentro deste contexto, o que se tornou 'inapropriada', foi a habilidade de decidir o teor dos textos e de imagens que compõem a informação que chega às populações do mundo inteiro.
O que se torna indesculpável dentro desta escolha, é ser o conceito final dessa informação conseqüência de políticas subsidiadas por governos e empresas transnacionais. Sendo nós, cidadãos de países emergentes, os culpados e possivelmente portadores da síndrome de deficiência de compaixão, por permitir tamanha inversão de direitos.

A compaixão global, não somente pela vida humana, mas também pela dignidade humana, não pode ser alcançada, quando cidadãos salvos de catástrofes como tsunamis, por sorte ou compaixão conjuntural, obtém a graça de voltar para a rotina de suas vidas normais; e isto significa a escravidão nas plantações de produtos agrícolas pertencentes a companhias multinacionais, ou mesmo receber $2 por dia, sem direitos trabalhistas. Na falta da compaixão estrutural, milhares de fazendeiros na Ásia continuam a cometer suicídio por ter seu direito humanitário cassado, enquanto suas mulheres e crianças perambulam em solos arrasados esbarrando em grades, casse-têtes e polícia armada em frente aos portões dos paraísos de mercado.

fonte: http://sevenoaksmag.com/features/45_feat1.html

Lobistas Tentam Ganhar Tempo

Analistas do mercado global acompanham trabalho dos lobistas da Coca-Cola e consideram performance deles imediatista.
Depois da matéria do jornal O Globo, da matéria da revista Época, dos preparativos para matérias televisivas - todas visando encrencar a vida de autoridades compromissadas com investigação sobre a conduta irregular da Coca, agora surgem outras fontes com os mesmos indícios de intenção para o desvio do foco que compreende uma verdadeira fábrica de escândalos: a teia que protege a impunidade da Coca-Cola.

Máscara Insólita
Escritório de advocacia do Rio de Janeiro oferece dossiê à policia, revelando informações sobre espionagem feita pela Coca-Cola à empresa Dolly, na disputa pelo mercado de refrigenantes.

Na nota entitulada 'Lameiro' publicada na coluna do Boechat (JB de ontem, domingo 09/01) fica até difícil saber quem mais encobre o óbvio.
Abaixo na íntegra:

LAMEIRO
O escândalo envolvendo a filial brasileira da Kroll em crimes de espionagem privada caminha para um capítulo igualmente cabeludo.
Dossiê elaborado por um conceituado escritório de advocacia do Rio, para gentil oferecimento à polícia, revela que a agência de detetives andou espalhando grampos a serviço da Coca-Cola, no bojo da disputa da multinacional com a Dolly.
A revelação pode ser cortina de fumaça para ocultar verdadeiros mandantes das escutas ilegais.

domingo, janeiro 09, 2005

Marcas Norte-Americanas Não Recuperam Boa Imagem Em Países Ricos

A certeza de mais 4 anos de Governo Bush impede que grandes esforços em planejamento e marketing funcionem no sentido de conduzirem corporações norte-americanas de volta à condição de confiabilidade.

Segundo as mais recentes pesquisas efetuadas por agências de relações públicas e marketing, dois terços dos consumidores europeus e canadenses modificaram sua visão para o lado negativo em relação as empresas norte-americanas como conseqüência da atual política externa dos Estados Unidos.

Grandes Marcas costumam ser intimamente associadas a seus países de origem. Elas representam o estilo de vida, o poder, a cultura, e hoje, principalmente, a maneira com que o país da marca se relaciona com outros países.

No mes passado, Kevin Roberts, CEO da gigante da publicidade Saatchi & Saatchi, declarou ao Financial Times que "consumidores asiáticos e europeus estavam muito resistentes às marcas norte-americanas, e que esse fator era progressivo. Várias novas marcas locais de produtos similares não paravam de surgir no mercado e que essas novas marcas cumpriam bem o intento: protestar contra a filosofia norte-americana de inflexibilidade. Ao ponto de, na Alemanha, o cartão American Express já ter atingido um nível sensível de rejeição."

Uma outra queixa dos consumidores em geral, é quanto a lentidão das empresas norte-americanas para se adaptarem às culturas locais e cumprirem a demanda de satisfação dos clientes nos países onde se instalam. Essas empresas acabam abrindo espaço para novos produtos locais que possam preencher as expectativas frustradas desses consumidores.

Os dois terços de consumidores europeus e canadenses que já têm uma visão negativa das empresas norte-americanas, acreditam que a política externa dos Estados Unidos é guiada por interesses pessoais visando a sustentabilidade do império americano e 70% deles alegam que não confiam no governo dos Estados Unidos pelo mesmo motivo.

Em porcentagem, 87% dos alemães, 84% dos franceses e 71% dos britânicos que responderam a pesquisa, vêem o Presidente Bush como uma personalidade negativa. Ao mesmo tempo que esses mesmos consumidores; alemães, franceses e britânicos, identificam seus valores culturais como muito mais próximos entre si do que da cultura norte-americana.

Mesmo com todo o bombardeio de aculturação e marketing por parte dos Estados Unidos, com trilhões de dólales em jogo; A Microsoft, A Coca-Cola, A Marlboro e todas as as outras que vêm juntas continuam se debatendo asfixiadas pelo governo Bush.

fonte: http://www.yobserver.com/news/article_3446.html

sábado, janeiro 08, 2005

Coca-Cola E Obesidade