quinta-feira, setembro 09, 2004

Açúcar Amargo

Washington DC , 10 de junho de 2004 – A Coca-Cola e outras grandes corporações estão indiretamente se beneficiando da utilização de trabalho infantil nas plantações de cana-de-açúcar em El Salvador, conforme denúncia em um novo relatório da Human Rights Watch (HRW); que interpela a Coca-Cola à responsabilidade de assegurar que práticas desta ordem sejam encerradas.
De 5 000 a 30 000 crianças salvadorenhas, algumas com 8 anos de idade, trabalham em plantações em El Salvador, onde acidentes sem controle, a maioria sendo de cortes severos, são bastante comuns, de acordo com o relatório 'Fazendo Vista Grossa: O Alto Risco No Cultivo De Cana-de-Açúcar Em El Salvador'.
Pela lei salvadorenha, 18 anos de idade é o mínimo para se assumir um trabalho de risco; e 14 anos para os outros tipos de trabalho. Mas o que normalmente acontece, é que crianças são admitidas como 'ajudantes' ao invés de empregadas das empresas, e isso, pela lei, garantiria a elas reforço na proteção.
Acrescentado da isto, as crianças acidentadas durante o trabalho são obrigadas a pagar por seus atendimentos médicos. Da mesma forma que os adultos o fazem nas plantações.
"O trabalho infantil está tendo uma curva ascendente no cultivo de cana-de-açúcar em El Salvador", disse Michael Bochenek da Divisão da Infância do HRW. "Companhias que compram o uso do açúcar salvadorenho deveriam refletir sobre este fato e fazer alguma coisa a respeito".
O relatório de 139 páginas, baseado em entrevistas com 32 crianças e jovens em idades entre 12 e 22 anos; com pais, professores, ativistas, acadêmicos, advogados, funcionários públicos e representantes da Associação Salvadorenha de Açúcar, durante uma viagem a El Salvador no ano passado, é o décimo primeiro de uma série sobre trabalho infantil, e o quarto que retrata o trabalho infantil em El Salvador.

Fonte: http://www.worldrevolution.org/article/1461